6 de jul de 2017

  • Quadrilha suspeita de falsificar cosméticos importados faturou R$ 6 milhões, diz MP

    Dezoito pessoas foram presas no interior de São Paulo, mas investigação aponta que 25 participavam do esquema em todo o país e até no Paraguai. Cardiologista é apontado como financiador da fraude.


    Gaeco diz ter apreendido R$ 500 mil em mercadorias no interior de São Paulo (Foto: Reprodução/EPTV)Gaeco diz ter apreendido R$ 500 mil em mercadorias no interior de São Paulo (Foto: Reprodução/EPTV)
    Gaeco diz ter apreendido R$ 500 mil em mercadorias no interior de São Paulo (Foto: Reprodução/EPTV)
    O Ministério Público estima que a quadrilha presa no interior de São Paulo por suspeita de falsificar cosméticos para cabelos de três marcas estrangeiras faturou ao menos R$ 6 milhões nos últimos quatro anos. Ainda segundo a investigação, o grupo possui revendas dos produtos pirateados em todo o país e até no Paraguai.
    Dezoito pessoas foram presas nesta quarta-feira (5), entre elas um médico, apontado como o financiador do esquema ilícito. Os mandados foram cumpridos em Franca (SP), Sertãozinho (SP), Leme (SP), Bariri (SP) e na capital paulista. Cinco mandados de condução coercitiva e 20 de busca e apreensão também foram cumpridos.
    Segundo o promotor Paulo Guilherme Caroles, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), apenas entre 2015 e junho desse ano, a quadrilha faturou cerca de R$ 1,4 milhão com a venda de produtos falsos pela internet.
    “Estimamos um faturamento mensal nesse período de R$ 120 mil. Isso considerando a quantidade de produtos que eram vendidos e o valor de um estoque que foi apreendido durante a operação, cerca de R$ 470 mil. Obviamente tudo aquilo pode ser apurado, fora aquilo que não conseguimos identificar diante do período de tempo passado”, afirmou.
    A princípio, os suspeitos devem cumprir prisão temporária por 30 dias e, segundo a Polícia Civil, responderão pelos crimes de organização criminosa e adulteração de cosméticos. Cerca de R$ 500 mil em mercadorias foram apreendidas.
    Veja o conteúdo completo, clique aqui

  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.