6 de jul de 2017

  • O silêncio da esquerda latina sobre a Venezuela




    Comemoração da independência, nesta quarta
    Comemoração da independência, nesta quarta  AFP
    Nestes dias, na América Latina, houve uma mudança substancial que só pode gerar tristeza e preocupação em quem defende a democracia e os direitos humanos. Em qualquer outro momento da história do continente havia uma só maneira de interpretar as imagens de tanques militares que passavam por cima de civis desarmados ou as de gorilas uniformizados e armados até os dentes que disparavam suas metralhadoras contra jovens envoltos em bandeiras. Tudo era muito claro: os algozes provinham, sempre, de ditaduras alinhadas com os Estados Unidos e as vítimas eram militantes populares. A resistência a essa barbárie desenvolveu na esquerda do continente, a partir da década de oitenta, um consenso anti-repressivo, de respeito aos direitos humanos e de respaldo ao regime democrático.
    Em poucos meses, esse consenso foi destruído.
    É uma das vítimas da escalada repressiva que entrou em espiral na Venezuela desde abril.
    Agora quem dispara são os militares do regime de Nicolás Maduro e quem recebe as balas são os que o denunciam. E a maioria da esquerda cala ou apoia os repressores.
    As vítimas de outros tempos se solidarizam agora com os algozes do presente: o ser humano é uma espécie muito cruel.
    Na última reunião da OEA, um grupo de países liderados pela Bolívia e o Equador bloqueou uma sanção contra o regime de Maduro. Desde que a repressão começou, o PT brasileiro só deu demonstrações de solidariedade, mais ou menos vergonhosas, ao Governo venezuelano. Em seu último Congresso, por exemplo, recebeu uma delegação da embaixada venezuelana. Luiz Inácio Lula da Silva não falou do assunto, algo que lhe caberia fazer, dado que na última campanha eleitoral gravou um spot pedindo o voto em Maduro. As principais mostras de solidariedade a Maduro em Buenos Aires se deram no Instituto Pátria, bunker da força política liderada por Cristina Kirchner, que, além do mais, em sua recente turnê pela Europa, só concedeu uma entrevista ao canal estatal venezuelano, a Telesur, que justifica a repressão. O kirchnerismo tem uma grande influência nos órgãos de defesa dos direitos humanos da Argentina, que em sua maior parte também se calam. E assim vão as coisas.
    Um dos mecanismos mais habituais para justificar essa cumplicidade é a negação: como em outros tempos acontecia com a informação procedente da ex-União Soviética, cada denúncia contra o regime é interpretada como parte de uma campanha da CIA ou da maldita imprensa ocidental.
    É um recurso desonesto.
    Os principais denunciantes do que ocorre na Venezuela são os órgãos internacionais de defesa dos direitos humanos, que amparam a esquerda latino-americana quando era perseguida. Erika Rivas, diretora da Anistia Internacional para as Américas, declarou: “Na Venezuela toda a gama de direitos humanos é violentada. Direitos econômicos, sociais, culturais. As liberdades fundamentais, o direito à associação, a liberdade de expressão. Está havendo um contexto repressivo e militarizado diante das demonstrações de descontentamento social, no qual, além disso, são feitas detenções arbitrárias como ferramenta de controle, de calar as vozes da dissidência”.
    Nos anos setenta, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA foi um instrumento-chave para denunciar os desaparecimentos na Argentina. No início do mês, a CIDH emitiu um comunicado em que “condena energicamente as operações realizadas pelas forças de segurança do Estado, principalmente corporações militares, nos últimos dias na Venezuela, ante uma escalada na situação de violência (...), que deixaram dezenas de pessoas mortas, centenas de pessoas feridas e milhares de pessoas presas”. A Comissão Interamericana denuncia que, como método de intimidação, as forças militares e policiais cercam bairros inteiros, disparam gás lacrimogêneo e depois funcionários públicos entram nas casas de modo violento e as saqueiam. A CIDH calcula em seu comunicado que nos presídios venezuelanos haja 3.500 presos políticos.
    O sofrimento que, nos anos setenta, as ditaduras de direita causaram na América Latina deu lugar, depois, ao aparecimento de regimes democráticos estáveis. O Cone Sul, pelo menos, viveu a época de liberdade política mais longa de sua história. Nesse processo, houve altos e baixos, interrupções, momentos difíceis. Mas nunca, até aqui – talvez a única exceção tenha sido o Peru de Alberto Fujimori –, em nenhum país havia ocorrido, ao mesmo tempo, a suspensão de eleições, o fechamento de meios de comunicação, a detenção de milhares de dissidentes, a repressão aberta a manifestantes.
    No momento de terminar este artigo, a France Presse informava: “Dezenas de pessoas, algumas encapuzadas, com paus e canos, e vestidas de vermelho, entraram nos jardins do Palácio Legislativo e detonaram foguetes de fogos de artifício, desencadeando o caos. Os deputados Américo de Grazia, Nora Bracho e Armando Armas foram espancados fortemente na cabeça”.
    Maduro, no final das contas, é fiel a si mesmo, não dissimula. “O que não conquistaremos com os votos, conseguiremos com as balas”, disse. O que mais falta para entender alguém que, na realidade, é tão claro?
    Via EL PAÍS

  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.