2 de jul de 2017

  • Ministra Cármen Lúcia assegura que “clamor por justiça” não será ignorado pelo Supremo


    A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, encerrou nesta sexta-feira (30) o primeiro semestre do Ano Judiciário de 2017, assegurando a todos os brasileiros que o clamor por justiça não será ignorado pela Corte. 

    “O clamor por justiça que hoje se ouve em todos os cantos do País não será ignorado em qualquer decisão do STF . As vozes dos que nos antecederam e que velaram pela aplicação do direito com o vigor de sua toga e o brilho de seu talento, não deixam de ecoar em nossos corações. Não seremos ausentes aos que de nós esperam a atuação rigorosa para manter sua esperança de justiça. Não seremos avaros em nossa ação para garantir a efetividade da justiça”, afirmou.

    E seguiu dizendo que, “pelo que foi feito por este Tribunal, mas em especial pelo muito a se fazer, para a paz nas relações humanas plurais e democráticas no Brasil, haveremos de persistir em nossas funções, com desvelo dos que vieram antes e com o compromisso com os que vierem depois de nós”.

    A presidente da Corte fez ainda um emocionado agradecimento “pessoal e especial” pelos trabalhos intensos realizados pelo Supremo, com a convocação de várias sessões extraordinárias, além das já realizadas regularmente. “Muitíssimo obrigada a cada um dos senhores por terem me ajudado tanto em um semestre tão difícil para mim”, finalizou.

    Agradecimentos

    O ministro Marco Aurélio retribuiu os agradecimentos e afirmou que “se o resultado das sessões do Tribunal se mostrou profícuo, foi graças à coordenação serena” da presidente na condução do Supremo.
    Ministro mais recente a ingressar no Supremo, Alexandre de Moraes também pediu a palavra para registrar o encerramento de seu primeiro semestre na Corte. Ele agradeceu a recepção, a acolhida, o auxílio e o apoio de todos os colegas, do Ministério Público e de todos os servidores. “Espero que seja o primeiro de vários períodos.”

    O procurador-geral da República, Rodrigo Janot , também se pronunciou e disse que “o Ministério Público é testemunha do trabalho enorme que foi desenvolvido no Supremo Tribunal Federal neste semestre e da densidade das decisões tomadas”.

    Janot lembrou que essa foi a última sessão de encerramento de semestre que ele participa com procurador-geral, embora tenha outras de julgamento ainda no mês de agosto e parte de setembro, quando deixará o cargo. Ele agradeceu os quatro anos de atuação no Supremo e afirmou ter aprendido diariamente com os ministros. “Cada sessão é uma aula e saio daqui acrescido de conhecimento jurídico e de conhecimento humano.”

    Plantão

    A partir desta sexta-feira (30), os ministros do STF entram em recesso de 30 dias, e os trabalhos serão retomados na primeira semana de agosto. Durante o período de recesso, Cármen Lúcia será responsável pelo plantão de decisões. Eventuais recursos de presos a partir das delações da JBS e sobre a tramitação da denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer na Câmara dos Deputados serão julgados pela ministra.

    Fonte: Agência Brasil
  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.