10 de mai de 2017

  • Saudita e iraquiano presos na Paraíba são vinculados a grupos extremistas, diz Polícia Civil

    De acordo com a Delegacia de Defraudações e Falsificações, foram encontradas muitas provas no celular do suspeito que comprovam a vinculação com grupos extremistas

    No telefone celular do suspeito foram encontradas mais de 5 mil fotos ou vídeos, de acordo com o delegado (Foto: Divulgação/DDF)
    Após investigações, a Polícia Civil descobriu que o árabe preso na Paraíba suspeito de falsificação de documentos para imigração possui vinculação com grupos extremistas. De acordo com o delegado Lucas Sá, da Delegacia de Defraudações e Falsificações, foram encontradas muitas provas no celular do suspeito que comprovam a vinculação com grupos extremistas.
    A audiência de custódia dos suspeitos foi adiada porque a defesa exigiu a presença de um tradutor da língua árabe. A embaixada da Arábia Saudita foi acionada e enviará um tradutor. O Cônsul da Arábia Saudita está a caminho de João Pessoa para acompanhar a audiência de custódia dos suspeitos, que tiveram sua prisão convertida em preventiva. 
    Foto: Polícia Civil
    A Delegacia de Defraudações e Falsificações ainda acionou a Interpol para consulta dos suspeitos no âmbito internacional e a Polícia Federal para que seja iniciado o processo de expulsão dos estrangeiros. Também foi comunicado o Consulado dos Estados Unidos em Recife para verificar se os suspeitos possuem alguma relação com grupos terroristas, que ainda não confirmada até o presente momento.
    No telefone celular do suspeito foram encontradas mais de 5 mil fotos ou vídeos, de acordo com o delegado. Em conversas encontradas no smartphone também há detalhes das negociações feitas para a falsificação dos documentos.
    Também ficou evidente a concretização de esquemas com cartórios e funcionários públicos para efetivar a falsificação dos documentos. A movimentação bancária em nome do suspeito supera U$ 10 milhões, ainda de acordo com a investigação da Polícia Civil.
    Saleh Alderaibi, de 41 anos, o iraquiano Feras Ali Haussn, de 43 anos, e o despachante Sandro Adriano Alves, 43 anos, de São Paulo, foram presos em João Pessoa na última quarta-feira (21). Eles são suspeitos de integrar uma quadrilha internacional especializada em falsificar documentos para facilitar imigrações. O paulista Sandro já havia sido preso anteriormente por formação de quadrilha, falsidade ideológica, uso de documento falso e descaminho.


    Fonte https://www.clickpb.com.br/policial/arabe-e-iraquiano-presos-na-paraiba-sao-vinculados-grupos-extremistas-diz-policia-civil-220577.html

  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.