10 de mai de 2017

  • ENQUANTO JUIZ SERGIO MORO PEDE TRANQUILIDADE PARA A JUSTIÇA, LULA E PT INVESTEM NA CONFUSÃO PARA NARRATIVA POLÍTICA



    Outdoor espalhado por Curitiba para a chegada do réu.
    Lula quer ver o circo pegar fogo, quer aproveitar seu depoimento cara a cara com o juiz Sergio Moro para transformá-lo em ato político, de olho em sua narrativa de vítima perseguida por um poder arbitrário com interesses escusos. Já o juiz Sergio Moro pede calma e quer tranquilidade para que a Justiça continue fazendo seu trabalho dentro dos ditames da lei.
    São duas posturas diametralmente opostas, que mostram bem quem é quem nesse caso. Sobre a narrativa cafajeste do ex-presidente petista, Merval Pereira comentou em sua coluna de hoje resumindo muito bem a questão, e destaco um longo trecho aqui:
    Transformar o depoimento do ex-presidente Lula ao Juiz Sérgio Moro nesta semana em Curitiba em uma guerra entre dois poderes políticos é ajudar a interpretação de que a Justiça persegue Lula com objetivos que nada têm a ver com corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, organização criminosa, crime contra a Administração Pública, tráfico de influência e obstrução da Justiça, todos esses crimes de que ele é acusado em diversos processos.
    […]
    De maneira patética, afirmam que só são legais e válidas as manifestações de solidariedade a Lula, as contrárias são fascistas e antidemocrática.  Alertam para a possibilidade de haver confrontos nas ruas, como se elas fossem palco apenas para os petistas e seus acólitos. A ridicularia prossegue, com exigências para o depoimento em si.
    Querem que um cinegrafista contratado pelo Instituto Lula filme todo o depoimento, e não gostaram do enquadramento da câmara oficial, que foca o depoente sem mostrar os rostos dos advogados de defesa, nem dos procuradores e do Juiz Sérgio Moro. Os advogados de Lula querem definir uma nova cenografia, com a câmera mostrando todos os que estão no recinto.
    PUBLICIDADE
    […]
    Mas querer transformar em ato político o que deveria ser um mero procedimento rotineiro dentro de um processo criminal mostra bem a incapacidade de Lula de aceitar a ação da Justiça, tentando constrangê-la com uma demonstração de força política que, mesmo existente, não apaga as graves acusações que pesam contra ele.
    Só quem tem insistido nessa narrativa são os canalhas de sempre do PT, os mesmos que se julgam acima das leis, que acham que suas “causas” podem justificar invasões de propriedade, violência nas ruas, intimidação. O MST, o MTST, a CUT, a UNE, ou seja, os braços armados de sempre do PT. Trata-se de uma postura de marginais, de quem tem “bandido preferido”, de quem acha que certas figuras não precisam prestar contas à Justiça.
    Diante dessa tentativa nefasta de intimidar uma equipe de juízes e promotores, o próprio juiz Sergio Moro, que lidera a Operação Lava Jato, abriu uma exceção à sua discrição para gravar um vídeo nas redes sociais pedindo cautela e solicitando que os apoiadores da lei não compareçam em Curitiba no próximo dia 10, para não gerar mais confusão:
    São diferenças gritantes, aberrantes! Lula e seus comparsas fascistas querem controlar o Brasil como se fosse seu quintal, como uma máfia, uma quadrilha, enquanto um juiz, oficial da Justiça, quer simplesmente fazer seu trabalho na tranquilidade necessária para fazer valer as leis.
    Que a máscara democrata de Lula caiu, expondo sua essência fascista, já está claro faz tempo. O ex-presidente até ameaçou “prender jornalistas”, demonstrando sua alma totalitária de quem adoraria transformar o país numa Venezuela. O jornalista Guilherme Fiuza, que sempre ataca com maestria esses “gigolôs do bem”, teve uma tirada sensacional:
    Quem ainda defende Lula dá atestado de estupidez ou falta de caráter, não vejo outra opção. Mas, infelizmente, a própria imprensa não ajuda, contribuindo com a narrativa petista. A revista Veja, por exemplo, estampou uma capa essa semana que dá a entender se tratar de um confronto político entre duas forças equivalentes, entre dois heróis, cada um escolhendo o lado que lhe aprouver:
    Uma capa vergonhosa, sem dúvida a pior da revista de todos os tempos. Atende apenas à narrativa petista de que Moro x Lula é um confronto político, entre iguais, e não um JUIZ contra um RÉU, um bandido, um chefe de quadrilha. E ainda celebra a soltura de Dirceu. Uma imagem mais adequada para retratar a realidade seria algo assim:
    Lula é um corrupto, chefe de uma quadrilha criminosa que tomou o estado de assalto, e um palhaço ao ridicularizar a Justiça dessa forma, tratando com escárnio nossas leis. Moro é, para muitos, um herói, por simplesmente ser um juiz intransigente com os desvios das leis, mesmo quando quem se mostra bandido é um ex-presidente que ainda comanda um séquito de seguidores movidos a “mortadela” ou fanatismo ideológico (cada vez mais só o primeiro).
    Que os petistas estejam dispostos a tacar fogo no país para proteger seu bandido favorito não surpreende a mais ninguém. O PT é isso mesmo: uma quadrilha, e isso já ficou claro para todos. Mas essa turma não vai conseguir transformar o Brasil na Venezuela, que, aliás, vive dias cada vez mais sombrios, com a fome generalizada produzida pelo socialismo. O WSJ dá inclusive destaque a essa triste realidade em sua capa de hoje:
    São os sócios do PT no Foro de São Paulo, os companheiros de ideologia de Lula e Dilma, os comparsas da extrema-esquerda brasileira destruindo de vez uma nação (mais uma), com essa ideologia podre que é o socialismo. E esses marginais se julgam acima das leis, pois essa “causa nobre” justifica quaisquer meios, até o roubo, a ditadura, a prisão de inocentes, o confronto com a Justiça e a desgraça de milhões de trabalhadores.
    Não tem jeito: quem ainda defende o socialismo em pleno século XXI, quem ainda defende o PT, Lula, o PSOL e suas demais linhas auxiliares, coloca-se como um caso perdido, alguém totalmente desprovido ou de inteligência ou de caráter (ou ambos, claro). Não há mais alternativa para atenuar tanta sem-vergonhice, tanta cafajestagem, tanta canalhice.
    Rodrigo Constantino

  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.