13 de jan de 2017

  • CORRUPÇÃO NA CAIXA DURANTE GOVERNO DILMA É ALVO DE OPERAÇÃO DA PF

    OPERAÇÃO É DESDOBRAMENTO DA CATILINÁRIAS, QUE INVESTIGA CUNHA

    Um esquema de fraudes na liberação de créditos junto à Caixa Econômica Federal que teria ocorrido pelo menos entre 2011 e 2013, no governo Dilma Rousseff, é alvo de uma operação da Polícia Federal desde as primeiras horas da manhã desta sexta-feira (13). Policiais fazem buscas e apreensões em endereços residenciais e comerciais no Distrito Federal, Bahia, Paraná e São Paulo. As 7 medidas foram determinadas pelo Juiz da 10ª Vara da Justiça Federal no DF.
    Segundo a PF, o esquema seria composto pelo então vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal, pelo vice-presidente de Gestão de Ativos, além de um servidor da CEF, empresários e dirigentes de empresas dos ramos de frigoríficos, de concessionárias de administração de rodovias, de empreendimentos imobiliários, além de um operador do mercado financeiro.
    A investigação da Operação Cui Bono é um desdobramento da Operação Catilinárias, realizada em 15 de dezembro de 2015, que fez uma devassa na casa do então presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, hoje cassado e preso.
    Naquela oportunidade os policiais federais encontraram um celular em desuso na residência de Cunha. Submetido a perícia e mediante autorização judicial de acesso aos dados do aparelho, a Polícia Federal extraiu uma intensa troca de mensagens eletrônicas entre Eduardo Cunha e o vice-presidente da Caixa Econômica Federal de Pessoa Jurídica entre 2011 e 2013. As mensagens indicavam a possível obtenção de vantagens indevidas pelos investigados em troca da liberação para grandes empresas de créditos junto à Caixa Econômica, o que pode indicar a prática dos crimes de corrupção, quadrilha e lavagem de dinheiro.
    Diante destes indícios os policiais passaram então a investigar o caso, que tramitava no Supremo Tribunal Federal em razão de se tratar de investigação contra pessoas com foro privilegiado. Porém, em virtude dos afastamentos dos investigados dos cargos e funções públicas que exerciam, o STF decidiu declinar da competência e encaminhar o inquérito à Justiça Federal do DF.

    Via http://www.diariodopoder.com.br/noticia.php?i=72283183922

  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.