23 de ago de 2016

  • O CAMINHO, A CAMINHADA





    “Decerto, o homem quando carrega consigo a nobreza de uma gravidade não fingida, atrai algumas mulheres; mas ele sempre atenta apenas para as que são menos corrompidas.”
    Sabe ele que não adiantaria levar qualquer uma pra cama...
    Sabe que não pode se deitar com qualquer que seja.
    – Aliás, qual o sentido das pessoas viverem e saírem e dormirem sem amor? – Perguntamo-nos. 
    Em um mundo perdido, é mais fácil inferirmos que para eles nada mais importa, senão apenas o momento frívolo nessa vida morta, sem sentido...
     (...) Contentamo-nos, pois, em saber que o amor atrai, que a carne instiga e faz que desejemos – principalmente quando às vezes estamos sozinhos –; mas que a razão deve ser mantida; que tudo isso consiste na verdadeira peleja, onde se põe à prova o caráter, onde a água deve ser separada do vinho (em pensamentos, diga-se, onde nunca nos encontraremos sozinhos). Pois a razão sempre estará ali, Deus sempre estará ali, o amor sempre estará lá, sempre a nos guiar...

    Sei lá... Às vezes tenho medo. Mas também sei que esse medo é bom: pois sei que provém do temor, do temor que só habita em pessoas santas...!



    Interessante mesmo não é, como é esta vida...?!

    Passamos a caminhar por lugares que não imaginávamos nunca caminhar... Conhecemos pessoas, gostamos de pessoas... Entretanto surgem sempre algumas indagações...”



  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.