13 de ago de 2016

  • Judeus Anti-sionistas: “o projeto sionista põe em perigo a paz mundial”


    Reunião de IJAN, Rede de Judeus Antissionistas.

    O filósoso, poeta, escritor e ensaísta catalão Abdennur Prado entrevista Alejandro Ruetter Fridman, membro da Associação de Judeus Anti-sionistas de Espanha (Asociación de Judíos Antisionistas en España)

    Abdennur Prado: Existe muita confusão à volta  do termo judeu; mistura-se a religião, o étnico, o cultural, a memória coletiva… Que sentido tem para vocês a classificação de judeus, incluído no nome da organização?

    Alejandro Ruetter Fridman: O termo “judeu” incluído no nome da organização, apesar das confusões, deve-se a que os membros integrantes fomos educados como tal e não estamos satisfeitos com que EM NOSSO NOME se estabeleça um sistema de limpeza étnica e apartheid.
    Somos parte do movimento internacional de solidariedade com Palestina, a nossa perspectiva não é destacar o judaico, que é um elemento mais que se acrescenta ao nosso compromisso com a causa, já que no seu paradigma o judeu é um parâmetro; a identidade judaica tem muitas variáveis, outros companheir@s, carentes de um apego a esta intensidade, consideram que se deve dar uma resposta contundente neste âmbito, onde os sionistas reivindicam o direito de representar a comunidade judaica na sua totalidade e usam o judaísmo como elemento integrante da sua narrativa. Para nós, a causa da Palestina é de índole político e não étnico ou religiosa.

    Porque vos declarais publicamente como anti-sionistas? Qual a diferença entre o sionismo e outros nacionalismos?

    Alejandro Ruetter Fridman – Associação de Judeus Anti-sionistas

    Somos Judeus Anti-sionistas porque o sionismo é a perversão racista do judaísmo e qualquer nacionalismo exclusivo deveria merecer semelhante repúdio dos seus “representados“.
    O projeto sionista devido ao seu papel geopolítico é um nacionalismo especialmente agressivo e que põe em perigo a paz no mundo. A simbiose com o imperialismo e o papel de polícia do Médio Oriente, isto é,  cumprindo a tarefa de subjugar as aspirações de soberania regional, convertem-no no destinatário de um fortíssimo armamento, inclusive com a bomba atómica. Além disso, funciona como ingerência em todos os regimes antipopulares do terceiro-mundo, Colômbia por exemplo. É um fator de desestabilização no Magrebe e em toda a África, alimentado o separatismo. Manipula as comunidades judaicas nos diferentes estados do mundo, fazendo campanhas contra dirigentes anti-imperialistas, acusando-os de “anti-semitas“, como foi o caso de Chávez

    Espanha tem un importantíssimo passado sefardita, incluída a expulsão e a diáspora, a persistência do ladino, etc. Que vos parecem os esforços que se estão fazendo para incorporar esta herança à memória colectiva?

    O que se está fazendo com o passado sefardita faz parte da mesma campanha sionista. Como exemplo, em Toledo encontra-se, entre outros lugares, uma tal “Sinagoga de Santa María la Blanca”, começando pelo absurdo do nome, consiste nuna nave branqueada com um stand ao fundo onde vendem souvenirs de Israel.

    Reivindicar o passado sefardita serviu para conceder a nacionalidade a alguns judeus, na sua maioria do Magrebe ou israelenses e constituir uma comunidade judaica muito atenta a Israel, ou promover a Casa Sefarad que também é uma sucursal da embaixada. Os espanhóis não têm porque se culpabilizar do horrível decreto de expulsão de 1492 dos judeus e mouros, nem da criminosa Inquisição, foram outras épocas e outros sistemas. Manipular esta hipotética culpa é igual a culpar os alemães pelo genocídio durante a segunda guerra mundial e obter receitas em  subvenções ou apoio político às nefastas políticas sionistas.

    Somos Judeus Anti-sionistas porque o sionismo é a perversão racista do judaísmo.

    Em Espanha persiste a judeofobia, em todos os tópicos possíveis.  Alguns dias atrás, ouvi uma mulher, numa reunião de pais, utilizar o termo “judeu” em sentido depreciativo. Também cresce a judeofobia entre os muçulmanos devido sobretudo à situação na Palestina, mas também por fanatismo. Que podem fazer os muçulmanos espanhóis para ajudar a combater este mal absoluto que é a judeofobia?

    Mais que certa judeofobia linguística folclórica o que existe é, depois de cinco séculos, um absoluto desconhecimento do “judaico“, pelo que o sentimento referido é consequência da confusão organizada pela apropriação sionista.

    Se existem sentimentos judeofobos, como chamaríamos ao desdém para com os ciganos? E a islamofobia que recrudesce? Não sentimos exista discriminação para com os judeus. Evidentemente, que tod@s devemos insistir em romper preconceitos, mitos, ideias esquemáticas relativamente a grupos humanos, que foram construídos durante tantos séculos.

    Conforme manifestamos em numerosas ocasiões, consideramos a islamofobia como una reedição do antissemitismo clássico europeu. Todos os tópicos da judeofobia transferem-se agora para o Islão (br. Islã). Que vos parece esta comparação?

    A comparação entre judeofobia e islamofobia é lógica; toda a xenofobia segue os mesmos parâmetros. Sempre se utiliza o estrangeiro como bode expiatório em determinados momentos históricos, para dar unidade a uma nação ou como consequência de um mal-estar social importante, seja de ordem económico ou outro. O grupo judaico é bastante minoritário em Europa (inclusive em França, onde reside o grupo mais numeroso, são 600 mil judeus entre uma população de 63 milhões) e encontram-se bem protegidos por leis e pelos EUA, são pois as outras comunidades consideradas estrangeiras que sofrem o flagelo da discriminação e do desprezo; hoje em dia basta “parecer” árabe.

  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.