17 de mai de 2016

  • Um israelense do FMI e Banco Mundial dos Rothschild no controle do Banco Central do Brasil


    Seguindo o modelo Macri na Argentina, o sionismo internacional começa a posicionar seus agentes dentro do governo brasileiro para iniciar o processo de privatização do Estado.
    O nome especulado para controlar o Banco Central do Brasil no regime Temer é o judeu sionistaIlan Goldfajnnascido em Israel (Palestina invadida e ocupada).


    Este é o seu perfil:


    Ilan Goldfajn é economista-chefe do Itaú Unibanco e sócio do Itaú BBA. Também foi diretor de política econômica do Banco Central (2000-2003) e economista do FMI(1996-1999), além de consultor de organizações internacionais como Banco Mundial, FMI e ONU, ministrou a palestra “Perspectivas Econômicas Mundial e Brasil”, na qual abordou os desafios dos próximos anos em decorrência da mudança do cenário econômico mundial e, dentro desta realidade, como o Brasil pode se reinventar para continuar progredindo.
    É autor de livros, artigos e diversos papers acadêmicos sobre política econômica, além de escrever mensalmente para os jornais O Globo e O Estado de São Paulo. […]

    Enquanto no regime Macri o presidente do Banco Central é o CEO do JP Morgan dos Rockefeller, no Brasil será o executivo chefe do Itaú dos Setúbal e agente do FMI e Banco Mundial dos Rothschild.
    O Itaú é um banco acostumado a cometer crimes fiscais e financeiros e continuar impune. Isto acontece porque o judiciário é corrupto e existe para proteger o lucro bilionário desta máfia financeira que destrói a nação com usura. A Lei vale somente para a casta de escravos que pagam impostos, não para os banqueiros.



    (11-01-2016) Operação Lava Jato está investigando o suposto envolvimento de um grupo de bancos privados, de grande e médio porte, em crimes financeiros envolvendo contratos avaliados em US$ 15 bilhões entre o grupo Schahin e a Petrobras, segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo. […]
    As instituições financeiras foram listadas pela Receita pela ordem de atuação. Itaú BBABradescoHSBCSantander, Votorantim, Bonsucesso, Fibra, ABC Brasil, Bic, Pine, Tricury e Rural fazem parte do grupo que reúne os bancos credores, responsáveis pela liberação dos financiamentos.
    Itaú BBA, Votorantim e HSBC também seriam grupos coordenadores da operação, que, tinham um papel mais atuante nas negociação das condições dos empréstimos. De acordo com a Receita, o Deutsche Bank seria o agente administrativo, fiduciário e colateral, que fazia a administração das contas.

    Fonteterra.com.br
    Os principais bancos envolvidos no criminoso esquema são anunciantes do Grupo Globo dos Marinho. Portanto, fica claro que são sócios em todo o circo para mudar o regime no Brasil.
    Assim o especialista em usura do Grupo Globo, o judeu Carlos Sardenberg, promove o Cavalo de Tróia da banca Rothschild:


    São todos agentes sionistas que conspiram contra o país e promovem os interesses da máfia financeira liderada pelos Rothschild e Rockefeller. Estão todos envolvidos na mudança de regime no Brasil com objetivos financeiros e geopolíticos para o sionismo internacional, principalmente para Israel.
    O próximo passo será iniciar um processo de endividamento do Brasil com a banca privada (Goldman Sachs, JP Morgan, etc), com o objetivo de aumentar a dívida pública do país e manter a população brasileira pagando mais usura por gerações futuras.
    A questão não é sobre “economia”, é sobre poder. O objetivo do sionismo é destruir a soberania monetária e territorial das nações para estabelecer um Governo Mundial dos banqueiros. Para entender como a máfia bancária opera para tomar o controle dos Bancos Centrais de todas as nações e destruí-las com dívida, é recomendado ao leitor que leia o livro “A Sinagoga de Satanás“.


    A Sinagoga de Satanás (em português)

    https://caminhoalternativo.wordpress.com/2016/05/16/um-israelense-do-fmi-e-banco-mundial-dos-rothschild-no-controle-do-banco-central-do-brasil/

  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.