14 de mai de 2016

  • 'Republiquetas': El Salvador também convoca embaixadora e não reconhece governo Temer


    Depois da Venezuela, El Salvador é mais um país a não reconhecer o governo interino de Michel Temer, or considerar que o afastamento de Dilma Rousseff é "uma manipulação política", que levou "à configuração de um golpe de Estado"


    O presidente de El Salvador, Salvador Sánchez Cerén, anunciou neste sábado que não reconhecerá o governo interino de Michel Temer, por considerar que o afastamento de Dilma Rousseff é "uma manipulação política", que levou "à configuração de um golpe de Estado".

    "Analisamos a situação e tomamos a decisão de não reconhecer esse governo provisório do Brasil, porque há uma manipulação política", declarou o presidente Cerén em discurso sobre seu programa "Governando com o povo", na cidade de Izalco, 61 km ao oeste de San Salvador.

    Sánchez Cerén afirmou ainda que outra decisão tomada foi convocar a embaixadora salvadorenha no Brasil, Diana Marcela Vanegas. A diplomata recebeu instruções de não participar de qualquer ato oficial do governo Temer. 
    Para o presidente salvadorenho, o que aconteceu com Dilma "é um fato que, antes na América Latina, há muitos anos, eram golpes dados pelas forças militares, eram golpes militares. Agora, foi uma destituição [sic] pelo Parlamento, pelo Senado".

    Em nota, a Chancelaria salvadorenha ressaltou que o afastamento de Dilma Rousseff "confirma as considerações feitas no Brasil, assim como no nível internacional, no sentido de que assistimos, infelizmente, à configuração de um golpe de Estado".

    "Há uma manipulação política", frisou Sánchez Cerén, acrescentando que seu governo se manterá observando o desenvolvimento dos acontecimentos no Brasil, onde - completou - "se está enfraquecendo a democracia".

    Desde o governo antecessor de esquerda de Mauricio Funes (2009-2014), El Salvador tornou sua relação com o Brasil mais estreita, sendo esse perfil mantido pelo presidente Sánchez Cerén.

    "O governo salvadorenho permanecerá acompanhando os acontecimentos e continuará, conforme sua evolução, atualizando suas medidas sobre a situação no Brasil", declarou o Ministério das Relações Exteriores. 

  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.