5 de abr de 2016

  • Universitários goianos organizam uma “nova UNE” com ideais liberais e de direita


    De orientação conservadora e de direita, novo organismo estudantil é preparado por estudantes de Goiânia e seu estatuto está em fase de gestação. Reitor da Uni-Anhanguera, professor e cartorário Joveny Cândido apoia a iniciativa
    Estudantes que não se sentem representados pela UNE querem fundar uma nova organização, independente dos partidos políticos de esquerda | Divulgação/UNE
    Estudantes que não se sentem representados pela UNE querem fundar uma nova organização, independente dos partidos políticos de esquerda | Divulgação/UNE
    Estudantes que não se sentem representados pela UNE querem fundar uma nova organização, independente dos partidos políticos de esquerda | Divulgação/UNE
    Frederico Vitor
    Está em curso a criação de um novo organismo de representação estudantil em Goiás e em Brasília, com a missão de contrapor ideologicamente a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Estadual dos Estudantes (UEE). Trata-se de uma agremiação com orientação conservadora e de direita, que promete contrabalancear as outras entidades que, segundo seus organizadores, estariam aparelhadas por militantes ligados a partidos de centro-esquerda e esquerda, como PT, PCdoB e PSol.
    O intuito do novo grupo é reunir numa única frente, os estudantes secundaristas e universitários, de pensamento liberal e conservador, que não se sentem confortáveis em militar em organismos estudantis de viés esquerdista. “Desamparados” pelas entidades existentes, eles agora unem forças para formar a própria agremiação que promete avançar em todo território nacional.
    O ganho de capilaridade e apelo social por parte de movimentos e partidos de direita, de cunho liberal ou conservador, tem ressurgido com força em todo o mundo, em especial no Brasil. Esta nova tendência é impulsionada com o momento turbulento vivido pelo País, onde há três crises instauradas — no campo político, econômico e ético.
    Com a deterioração do discurso de esquerda, o do nacionalista exacerbado, de políticas estatizantes e de alto grau de assistencialismo e clientelismo, o neoconservadorismo que contrapõe tais diretrizes políticas tem ganhado novos adeptos e avançado sobre diferentes segmentos da sociedade, em especial na classe média urbana e letrada.
    No meio estudantil não seria diferente. Enquanto nas universidades públicas, principalmente as federais, onde as agremiações oficiais estudantis são dominadas por grupos orientados por correntes ideológicas de esquerda, em seus diferentes matizes, nas instituições privadas, os estudantes simpatizantes do pensamento liberal ou conservador, se organizam em torno de um novo agrupamento estudantil que estaria “livre” das influências marxistas. Estudantes do Centro Universitário de Goiás (Uni-Anhanguera) lideram a formação deste novo grupo que ainda se encontra em fase embrionária na elaboração de seu estatuto.
    A insatisfação com a UNE e demais representações estudantis não é recente. Os descontentes com os rumos destas instituições dizem que, nos últimos anos, tais entidades foram fortemente aparelhadas por partidos como o PT e PCdoB. Mais: os estudantes descontentes acusam a agremiação máxima dos estudantes do Brasil de apatia e omissão em relação aos percalços do governo federal, liderado pela presidente Dilma Rousseff (PT), ou de qualquer outro governo regional da base aliada do Palácio do Planalto.
    Inclusive, por conta da insatisfação do domínio petista e comunista da UNE, que dura mais de 25 anos, foi criada uma nova entidade estudantil denominada Assembleia Nacional dos Estudantes Livre (ANEL).
    Porém, esta nova liga tem uma força de atuação ainda muito limitada. O que de fato parece mover a ideia de agremiar os estudantes de pensamento de direita é a crise institucional, econômica e ética que abala o País. Os universitários liberais se queixam de não ver a UNE atuar contra esta grave situação que, diretamente, afeta grande parcela dos estudantes brasileiros, visto que a estagnação do crescimento econômico tem causado altas taxas de desemprego e reduzido os investimentos em educação.

    “Queremos uma união dos estudantes democratas e liberais”

    O advogado, doutor em Direito Constitucional, cartorário e reitor da Uni-Anhanguera, Joveny Cândido de Oliveira, é o grande incentivador da criação da nova entidade estudantil. Ele, que se formou em Direito na Universidade Católica do Rio de Janeiro e é ex-oficial da reserva do Exército, afirma que é um sonho antigo ver surgir no Brasil uma nova instituição de união dos estudantes de orientação política liberal de centro-direitista.
    Ele conta que, em sua época de estudante, antes de se tornar segundo tenente de Cavalaria no extinto 1º Regimento de Carros de Combate situado na capital carioca, tentou se aproximar da UNE. Mas, ao perceber que a entidade estava dominada por quadros do Partido Comunista Brasileiro (PCB), se afastou da agremiação. “Desde aquela época, percebia que a UNE estava sob o comando de comunistas. Sempre observei com tristeza os estudantes caírem nos braços dos partidos de esquerda”, diz.
    Joveny Cândido, que foi um dos fundadores da Aliança Reno­va­dora Nacional (Arena) em Goiás, extinto partido criado para dar sustentação ao regime militar, afirma que o antigo sonho de fundar um organismo estudantil de direita está prestes a se materializar. Ele revela que estudantes da Uni-Anhanguera, juntamente com estudantes de outras instituições privadas, se movimentam para criar esta que será uma entidade que se contrapõe à UNE.
    Reitor Joveny Cândido: “É preciso uma união democrática e liberal dos estudantes brasileiros” | André Costa
    Reitor Joveny Cândido: “É preciso uma união democrática e liberal dos estudantes brasileiros” | André Costa
    Reitor Joveny Cândido: “É preciso uma união democrática e liberal dos estudantes brasileiros” | André Costa
    Apesar de nascer em Goiânia, a União Nacional dos Estudantes Democratas — possível nome da organização — já conta com a participação de universitários de Anápolis e Brasília. Dessa forma, está formado o eixo de estudantes de pensamento ideológico neoconservador que pretende irradiar para todo o País o seu ideário. “Faremos uma nova união dos estudantes, democratas e liberais, que não tenham ligação com o PCdoB e demais legendas de esquerda”, afirma.
    Joveny Cândido não acredita que haverá dificuldades para que o movimento se dissemine pelo País. Segundo ele, tudo depende do interesse de cada estudante dos respectivos Estados. O reitor da Uni-Anhanguera acredita que em pouco tempo a entidade estará presente nas principais capitais brasileiras, reunindo estudantes que compactuam dos mesmos pensamentos ideológicos. “Não importa o local, seja em Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Manaus, Belém ou Porto Alegre, este grupo vai trabalhar para cooptar os estudantes de direita”, afirma.
    Inspiração na UDR
    O reitor da Uni-Anhanguera lembra outros casos bem-sucedidos de organizações de direita que nasceram em Goiás e se expandiram por todo território nacional. Ele cita o exemplo da União Democrática Ruralista (UDR), liderada nos anos de 1980 pelo atual senador Ronaldo Caiado (DEM-GO). A entidade, que reunia proprietários rurais de todo o País, tinha como objetivo impedir a aprovação de projetos de lei a favor da reforma agrária.
    Em relação ao atual panorama político, Jove­ny Cândido analisa que o Brasil vive um mo­men­to pendular da política, isto é, politicamente está se afastando da esquerda para a centro-direita. Ele acredita que o processo eleitoral de 2016 vai confirmar sua tese e aposta que os partidos de linhagem direitista vão impor uma dura derrota nas urnas às legendas de esquerda. “Houve um momento em que este pêndulo político foi para esquerda, mas agora retorna para direita”, analisa.
    “A história das lutas sociais do País se confunde com a da UNE”
    A história do movimento estudantil no Brasil remonta à época do Brasil Colônia, no século 16, quando estudantes brasileiros residentes no exterior fundavam clubes secretos para lutar pela Independência do Brasil. Alguns deles desempenharam papel fundamental na Inconfidência Mineira.
    Em 1827 foi fundada a primeira faculdade brasileira, a Faculdade de Direito do Largo São Francisco. Este foi o primeiro passo para o desenvolvimento do movimento estudantil, que logo integrou as campanhas pela Abolição da Escravatura e pela Proclamação da República. Em 1901 foi fundada a Federação de Estu­dantes Brasileiros, que iniciou o processo de organização estudantil em entidades representativas.
    Em 1937 é criada a UNE, a entidade máxima representativa dos estudantes do Brasil. Em 1964, os estudantes foram responsáveis por um dos mais importantes momentos de agitação cultural da história do país. Era a época do Centro Popular de Cultura (CPC) da UNE, que produziu filmes, peças de teatro, músicas e livros que tiveram grande influência no meio estudantil. Em 1979, ano da anistia e abertura política do País, as entidades estudantis começam a ser reativadas.
    Ritley Rodrigues: “As forças de direita precisam dialogar com os alunos” | André Costa
    Ritley Rodrigues: “As forças de direita precisam dialogar com os alunos” | André Costa
    Ritley Rodrigues: “As forças de direita precisam dialogar com os alunos” | André Costa
    Abertura democrática
    A vice-presidente regional da UNE e estudante de Geografia na Universidade Federal de Goiás (UFG), Déborah Evellyn, afirma que a entidade é uma instituição histórica e legítima na defesa dos interesses e defesa dos estudantes. Ela diz que a história das lutas sociais do País se confunde com a da própria UNE, portanto, uma entidade democrática e aberta a qualquer corrente ideológica. “A UNE não é uma entidade partidária e não é de única corrente política. Atualmente, em nossos congressos, há mais de 30 grupos diferentes”, diz.
    Déborah Evellyn: “A UNE é uma entidade histórica e democrática”
    Déborah Evellyn: “A UNE é uma entidade histórica e democrática”
    Déborah Evellyn: “A UNE é uma entidade histórica e democrática”
    Déborah Evellyn lembra que a instituição critica duramente as instituições privadas que, segundo ela, usam o conhecimento como mercadoria, e trabalha atualmente para a aprovação de um projeto de lei que amortiza os valores das mensalidades em universidades particulares. Em relação à acusação de aparelhamento por partidos políticos de esquerda, ela se defende dizendo que a entidade é democrática e aberta para todas as correntes. “A UNE está aí para ser disputada; ela têm seus fóruns e congressos abertos para qualquer estudante. Prezamos muito pela democracia”, afirma.
    O presidente da União Estadual dos Estudantes (UEE) e aluno de Ciências Sociais da UFG, Ritley Alves Rodrigues, defende que a entidade de âmbito estadual é aberta para todos os estudantes, independente da inclinação ideológica. Inclusive, pontua ele, compõem a UEE quadros ligados ao PSDB e ao DEM, além dos partidos de esquerda, como o PSol. “Há espaço para todos nesta que é uma entidade histórica e de peso em Goiás”, diz.
    Ritley Rodrigues considera um erro criar uma nova agremiação estudantil, já que poderá dividir ainda mais os estudantes. Ele explica que, para as forças de pensamento de direita ganharem representatividade nas entidades estudantis existentes, é necessária uma melhor organização para a disputa dos processos de eleição e de direção das instituições estudantis.
    “A realidade que observamos é que, os estudantes que se identificam com a direita, não têm a cultura de passar de sala em sala estabelecendo um bom trato com os alunos. A hegemonia da direção é de esquerda porque eles mantêm diálogo constante com os estudantes. Este é o grande segredo”, afirma.


  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.