5 de abr de 2016

  • Dilma faz comícios no Planalto e assina dezenas de decretos de desapropriação para manter apoio do MST e outros movimentos




    Vale lembrar, toda a estrutura usada para os comícios, assim como toda a estrutura demandada para a execução dos decretos são exclusivamente bancadas pelo contribuinte.
    Dilma, desesperada por apoio, além de fazer comercio de cargos com deputados e senadores, também decidiu usar a sede da presidência da república para fazer eventos de apoio a seu governo e contrapartida para movimentos, como o MST, que é tido como o braço armado de seu partido (PT).
    Os comícios, como estão sendo chamados pela oposição, tem contado com exclusivas pautas de apoio à Dilma, sem qualquer demanda de interesse coletivo, como deve ser todo ato administrativo, ou seja, desvirtua e foge das funções que deveriam ser praticadas pelo governo.
    Durante os eventos, que duraram pelo menos 3 dias, em que movimentos como MST, CUT e outros foram ao Palácio para adorar e derramar seus amores por Dilma, além de criticar a oposição e o tal golpe, que segundo ela e seus aliados, está sendo formatado contra ela, para fortalecer ainda mais os laços com os movimentos, Dilma assinou de uma só vez mais de 20 decretos de desapropriação de posse para entregar nas mãos dos militantes do MST.

    Equipe de TV é feita refém por membros do MST em Quedas do Iguaçu

    Em artigo, MST ataca Moro, defende o “inocente” Lula e prega mudança na Constituição

    Setor de inteligência do Exército está vigiando o MST, afirma site


  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.