2 de abr de 2016

  • Advogado citado na Lava Jato por suposta propina morre em Brasília

    Paulo Baeta Neves mantinha escritório na capital; causa não foi informada.
    Em 2015, STF abriu apuração sobre depósito de R$ 5,7 milhões em conta.


    O advogado Paulo Roberto Baeta Neves, citado na operação Lava Jato por movimentações financeiras suspeitas, morreu na noite desta sexta-feira (1º) no Distrito Federal. A causa da morte não foi informada. O corpo foi velado no cemitério Campo da Esperança, na Asa Sul, e o sepultamento é previsto para as 16h30.
    Neves tinha 78 anos e lidava com problemas de saúde desde o ano passado. O G1 tentou contato com familiares do advogado e com o escritório gerenciado por ele no início da tarde deste sábado, mas não conseguiu retorno.
    Em maio de 2015, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki autorizou a quebra de sigilo bancário de Paulo Baeta Neves para apurar as supostas movimentações, feitas entre 2008 e 2011. Na mesma decisão, Teori também quebrou os sigilos bancário e fiscal do deputado federal Aníbal Gomes (PMDB-CE) e de Luís Carlos Batista Sá.
    O inquérito também envolve o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Ele e Aníbal foram citados pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa como responsáveis pelo apoio político que o mantinha no cargo, supostamente em troca de ajuda para o PMDB. Costa foi condenado em vários processos por envolvimento no suposto esquema de pagamento de propinas em contratos da Petrobras.
    Nesse inquérito, o STF apura a origem e o destino de um depósito de R$ 5,7 milhões recebido pelo escritório de Baeta Neves em 2008. Em depoimento à Polícia Federal, Paulo Roberto Costa afirmou que o valor poderia ser relacionado a propina paga aos parlamentares pelo Sindicato dos Práticos – profissionais que orientam os navios atracados nos portos.
    As informações sobre o inquérito são do jornal "O Globo". Os parlamentares e a entidade sindical negam as acusações. Procurado pelo "O Globo" em maio de 2015 para se posicionar sobre o assunto, Baeta Neves não foi encontrado porque já estava em tratamento de saúde.
    Via G1
  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.