20 de mar de 2016

  • Temer é citado em delação na Lava Jato e dispara: Se eu for preso, "levo todo mundo junto"


    post-feature-image
    Temer disse que as informações divulgadas por Delcídio são equivocadas e que ele não teve influência nos nomes decididos. “As indicações foram feitas pela bancada do PMDB de Minas Gerais”.
     Ato pró-impeachment em Brasília reúne quase 30 mil manifestantes segundo organizadores
     Polícia Federal decide intimar Lula para prestar depoimento na Operação Zelotes
     Pobres deverão comer arroz sem carne durante crise, diz Lula
    O vice ­presidente da República, Michel Temer (PMDB), negou nesta terça­-feira (15) ter indicado diretores da Petrobras condenados pela Operação Lava Jato.

    A alegação de que Temer seria o responsável pelas indicações dos ex­ diretores Jorge Zelada (área Internacional) e João Augusto Henriques (BR Distribuidora) foram feitas pelo senador Delcídio do Amaral (PT­MS) em depoimento que faz parte do seu acordo de delação premiada homologado nesta terça­-feira pelo ministro Teori Zavascki.

    O vice­ presidente alega não conhecer os ex­ diretores. De acordo com o depoimento de Delcídio, em 2007, o governo do então ex ­presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) aceitou "dar" a diretoria Internacional da Petrobras ao PMDB, em troca de apoio em votações no Congresso.

    Segundo Delcídio, o primeiro nome indicado para o cargo era João Augusto Henriques, que contava com o apoio de Michel Temer.

    O nome de Henriques, no entanto, não teria sido aceito pela então ministra da Casa Civil Dilma Rousseff (PT) e um novo nome foi apresentado, desta vez, o de Jorge Zelada.

    A nomeação de Zelada foi, então, aceita. Segundo Delcídio, "Jorge Zelada foi chancelado por Michel Temer e a bancada do PMDB na Câmara".

    Por meio de sua assessoria de imprensa, Temer disse que as informações divulgadas por Delcídio são equivocadas e que ele não teve influência nos nomes decididos. “As indicações foram feitas pela bancada do PMDB de Minas Gerais”. “O vice-presidente não tinha nenhum contato com essas duas pessoas”, afirmou a assessoria do vice presidente. 


  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.