25 de mar de 2016

  • Mal chegou e ja vai embora...O sujeito assumiu o cargo batendo de frente com a Polícia




    Federal, uma das mais respeitadas instituições do Brasil na atualidade.

    Além disso, a Constituição proíbe que promotores e procuradores ocupem cargos em outros poderes, mesmo estando licenciados. Isto já é ponto pacífico e por este motivo Wellington Cesar teve que deixar o cargo.

    Porém, no caso de Eugênio Aragão, existiria uma pequena dúvida, pois uma lei de 1993 permitia àqueles que já pertenciam aos quadros do Ministério Público antes de 1988, fazer a opção pelo regime anterior à promulgação da Carta Magna.

    Todavia, Eugênio Aragão declinou desse direito, ou seja, não fez a opção pelo regime antigo. Não o tendo feito, está exatamente na mesma condição do ministro anterior.

    Ademais, mesmo que tivesse feito, ainda assim estaria irregular, vez que tal opção se restringia apenas quanto aos benefícios e vantagens da carreira.

    De qualquer forma, a OAB já enviou ofício à PGR solicitando informações sobre a situação funcional do ministro. Tão logo receba essas informações deverá imediatamente arguir a inconstitucionalidade da permanência de Aragão no cargo.

    Vamos aguardar.

    Via http://www.postsenoticias54.com.br/133939



  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.