O juiz Fernando de Oliveira Domingues Ladeira publicou nesta quarta-feira, 23, uma decisão favorável ao 'Jornal Nacional', daRede Globo. O profissional da justiça entendeu que não era válido o pedido de direito de resposta solicitado pelo ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva, que não vem gostando da cobertura do noticiário e acusando as Organizações Globo de tentar promover o que chama de golpe político. 
O pedido de direito de resposta era referente à uma reportagem exibida pelo 'Jornal Nacional' no dia 10 de março. Naquele dia, William Bonner e Renata Vasconcellos deram ampla cobertura, como já vem acontecendo, à operação Lava Jato, que investiga o desvio de dinheiro através de um esquema de corrupção da maior estatal brasileira, a Petrobrás.
De acordo com o ex-presidente, a TV Globo não deu espaço para que ele desse sua versão sobre os fatos. O canal já havia negado um dia depois o pedido de Lula e fez um editorial visto por muitos como um "tremendo esculacho" contra o político. O 'Jornal Nacional' provou que enviou e-mails, fez telefonemas e que deu as respostas adquiridas através de representantes oficiais de Lula, como o Instituto e seus advogados. 

Trabalho jornalístico em pauta e direito de expressão

De acordo com uma reportagem da Folha de São Paulo, o juiz argumentou sua sentença dizendo que o simples fato de uma fala de Lula não ser citada em uma reportagem não dá a ele qualquer direito de resposta. Para o magistrado, o trabalho jornalístico e o direito ao contraditório não é trabalho da justiça, mas sim um preceito ético do jornalismo, dando mais credibilidade às reportagens exibidas. Além disso, a resposta de todos os lados dá, segundo quem assinou a sentença, maior compreensão do público do veículo de comunicação. 
Na decisão, o juiz disse que o 'Jornal Nacional' cumpriu com todas as etapas da reportagem e cumpriu seu direito-dever de informar os cidadãos. Para o juiz, esse tipo de processo pode causar uma intromissão da justiça indevida e essa pode ser vista como censura.