29 de mar de 2016

  • Lava Jato descobre propina de R$ 3,4 milhões em obra de Rodovia no governo de governo Geraldo Alckmin (PSDB) em 2002




    Manuscrito apreendido pela Lava Jato no escritório do executivo da Odebrecht Benedicto Barbosa da Silva Jr. sugere que houve formação de cartel e pagamento de propina em obra do governo Geraldo Alckmin (PSDB) em 2002, de acordo com reportagem publicada neste sábado (26) no jornal "Folha de S.Paulo".
    A anotação, de uma página, tem como título o nome Mogi Dutra, em referência à obra de duplicação da rodovia. Logo abaixo, aparece escrito: "valor da obra = 68,730,00 (95% do preço DER)". Depois, na linha seguinte, a anotação é: "custos c/ o santo = 3,436,500". A palavra "santo" aparece escrita sobre a palavra "apóstolo", que foi riscada.
    Nas linhas seguintes, o manuscrito tem a expressão "acomodação de mercado". Segundo a "Folha", isso sugere que as empreiteiras que participaram da licitação da obra formaram cartel e depois dividiram os valores.
    O jornal afirma ainda que a construtora que venceu a licitação foi a Queiroz Galvão, que apresentou o menor preço: R$ 68.678.651,60. As outras participantes da disputa, segunda a Folha, apresentaram preços acima de R$ 70 milhões, com variação pequena entre a que ficou em 2º lugar (a OAS) e a que ficou em 5º (a Odebrecht).
    Segundo a "Folha", o padrão de preços muito parecidos em licitações é parecido com o observado entre as mesmas construtoras nos contratos da Petrobras investigados na Lava Jato.
    No manuscrito apreendido, há ainda uma anotação ao lado das iniciais da Construtora Norberto Odebrecht (CNO) o percentual de 19%. Segundo a "Folha", esse é o percentual do contrato que caberia à construtora.
    "A licitação para a referida obra foi vencida pela empresa Queiroz Galvão. Quem tem que explicar as anotações mencionadas pela reportagem é quem as fez. A licitação para a referida obra foi vencida pela empresa Queiroz Galvão. Como a regra do governo do Estado é a total transparência, o documento foi enviado para apuração da Corregedoria Geral da Administração. Já a partir de segunda-feira, o corregedor-geral,  Ivan Agostinho, irá requerer à Polícia Federal permissão para o acesso a depoimentos que esclarecem essas anotações.", afirma nota do governo.Ao G1, a assessoria de imprensa do governador Alckmin e do DER disseram que quem deve dar respostas sobre as anotações é quem fez o manuscrito. A nota informa também que a partir da próxima segunda-feira (26) a Corregedoria-Geral da Administração do estado vai pedir à Polícia Federal permissão para ter acesso aos depoimentos que esclarecem as anotações.
    A Odebrecht não quis emitir comentários sobre os documentos apreendidos no escritório de seu executivo. "Os esclarecimentos foram prestados durante as oitivas realizadas pela Polícia Federal", afirmou a construtora.
    A Queiroz Galvão afirmou que não comenta investigações em andamento.
    Manuscrito apreendido em escritório de executivo da Odebrecht (Foto: Reprodução)

  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.