29 de nov de 2015

  • Sérgio Moro pede quebra de sigilo telefônico do PT e partido tenta suspender decisão do magistrado


    O juiz Sérgio Moro, responsável pela operação Lava Jato, quebrou o sigilo telefônico do Partido dos Trabalhadores em São Paulo, incluindo linhas fixas e celulares, em ação penal na qual o réu é o tesoureiro João Vaccari Neto

    Morosigilo

    Essa decisão pode desmoronar de vez com a cúpula do PT. A pânico do presidente do PT, Rui Falcão, é que o sigilo poderá identificar todas as pessoas que fizeram ligação para o partido em São Paulo.
    Falcão pediu para que Sérgio Moro suspenda a quebra do sigilo de um dos celulares que eram utilizados por Vaccari e o telefone-tronco do partido.
    A justificativa do petista é de que o telefone não era de uso exclusivo do tesoureiro João Vaccari Neto. Vários outros dirigentes podem ter utilizado essa linha de celular. O presidente do PT ainda argumenta que a decisão Moro vai “invadir a privacidade de centenas de pessoas” , o que poderia caracterizar “ofensa” à Constituição.
    Sérgio Moro negou o pedido do PT e justificou:
    “A quebra de dados das ligações não revela o conteúdo das comunicações, não representando, apesar das reclamações, intromissão profunda na esfera privada de pessoas ou do partido político”. 
    “Não vislumbro com facilidade os prejuízos sofridos pelo Partido dos Trabalhadores pela desvelação do conteúdo dos registros de telefones que podem ter sido utilizados por João Vaccari Neto que era Secretário de Finanças do Partido”, escreveu o juiz.

  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.