19 de nov de 2015

  • Na Câmara, o PT foi o único partido a votar contra a impressão do voto na urna eletrônica


    No Senado, após perceber a derrota, mudou de lado.


    Dilma vinha de uma boa sequência de vitórias quanto à manutenção dos próprios vetos quando a Câmara passou a analisar o argumento de que a impressão do voto nas urnas eletrônicas seria cara demais para os cofres públicos. O PT foi o único partido a exigir dos seus deputados que votassem pela manutenção, o que resultou numa goleada de 368×50 para a oposição.
    Quando chegou a vez de o Senado se pronunciar, o Partido dos Trabalhadores percebeu a enrascada em que havia se metido e, num primeiro momento, liberou a bancada. No momento seguinte, posicionou-se como oposição à presidente. Resultado: por 56×5, volta a obrigação de impressão do voto nas urnas eletrônicas.
    Foto: José Cruz
    Urnas Eletrônicas | Foto: José Cruz
    Agora é aguardar o STF, o “puxadinho do PT”, se posicionar. Em tentativas anteriores, a Suprema Corte decidiu em alinhamento com os interesses petistas. Mas o parecer tucano, que acusa a estrutura eleitoral brasileira de ser inauditável, pode pesar contra. Além, claro, da pressão popular, cada vez mais desconfiada da transparência das nossas eleições.


  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.