27 de nov de 2015

  • Delação fechada. Cerveró é o novo delator e deve fazer acusações diretas à presidente Dilma Roussef



    Com os acontecimentos desta terça-feira (25), a delação premiada de Nestor Cerveró ganha crucial  importância e credibilidade. A delação foi fechada com o Ministério Público no dia 18 de novembro, após a entrega por Bernardo Cerveró, filho de Nestor, das gravações que levaram à prisão o senador Delcídio do Amaral, o banqueiro André Esteves e o advogado Edson Ribeiro.
    Na minuta da delação de Cerveró, obtida ilicitamente pelo banqueiro André Esteves, há anotações de que Dilma sabia de tudo sobre Pasadena  e de que ela acompanhou 'de perto' às negociações e que inclusive teria cobrado Cerveró sobre o negócio.
    Em 2006, a Petrobras pagou US$ 360 milhões por 50% da refinaria (US$ 190 milhões pelos papéis e US$ 170 milhões pelo petróleo que estava em Pasadena). O valor é muito superior ao pago um ano antes pela belga Astra Oil pela refinaria inteira: US$ 42,5 milhões. Em 2008, a Petrobras e a Astra Oil se desentenderam e uma decisão judicial obrigou a estatal brasileira a comprar a parte que pertencia à empresa belga. Assim, a aquisição da refinaria de Pasadena acabou custando US$ 1,18 bilhão à petroleira nacional, mais de 27 vezes o que a Astra teve de desembolsar.
    No Palácio do Planalto, o clima é de muita preocupação com a delação premiada de Nestor Cerveró.
    Na investigação sobre o caso encaminhada ao juiz Sérgio Moro, lobistas e ex-executivos da estatal confirmaram que houve o acerto de propinas no negócio para atender “compromissos políticos”. 
    Cerveró, inclusive, já tentou envolver a presidente no escândalo, em outra oportunidade. Em janeiro, o executivo chegou a elencar Dilma como sua testemunha de defesa em um dos processos que ele respondia na Justiça Federal no Paraná. Na ocasião, após o fato ser revelado, a defesa do executivo, pressionada, recuou e, em menos de uma hora, substituiu a testemunha. Hoje, acredita-se, que já naquela época o senador Delcídio intercedia junto ao advogado de Cerveró.
  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.