26 de out de 2015

  • Promotor que produziu provas falsas contra Lopez fugiu da Venezuela (com vídeo da denúncia)



    Franklin Nieves Denuncia  A FARSA DO JULGAMENTO DE LEOPOLDO LOPES


    Em um vídeo divulgado na sexta-feira (23/10) o promotor venezuelano Franklin Nieves afirma que o governo de Nicolás Maduro o pressionou a usar provas falsas em um processo que levou à condenação do líder opositor Leopoldo López, hoje preso. Na gravação, o promotor anuncia que deixou o país.
    “Decidi sair com a minha família da Venezuela, em virtude da pressão que o Executivo e os meus superiores hierárquicos exerciam para que continuasse a defender as provas falsas com as quais se condenou o cidadão Leopoldo López”, disse.
    Nieves afirma também que nos próximos dias revelará “toda a verdade sobre o que aconteceu” antes, durante e depois do julgamento de Leopoldo López. Ele responsabilizou o governo venezuelano e os seus superiores pelo que possa acontecer a ele e sua família.
    No vídeo, divulgado pelo site de notícias La Patilla, Nieves convida os companheiros e os juízes venezuelanos a “perder o medo e a dizer a verdade”. “Que sejam valentes, que manifestem o seu descontentamento pela pressão dos superiores que ameaçam com a exoneração e prisão”, apela.
    Protestos
    Líder do partido opositor Vontade Popular, Leopoldo López foi condenado no dia 10 de setembro a quase 14 anos de prisão por instigação pública, associação delinquente, danos à propriedade e incêndio, durante um protesto convocado por várias figuras da oposição em 12 de fevereiro de 2014.
    Além de Leopoldo López, foram condenados quatro estudantes opositores do governo. Vários países e organismos internacionais reagiram à condenação, entre eles os Estados Unidos, que disseram estar profundamente preocupados e apelaram ao governo venezuelano para que “proteja a democracia e os direitos humanos na Venezuela”
    Um dia após a condenação, o porta-voz do Alto Comissariado da ONU, Rupert Colville, manifestou consternação pela dureza da decisão e anunciou que o organismo faria uma análise mais profunda do caso, lamentando que o governo venezuelano tenha ignorado uma recomendação do Grupo de Trabalho da ONU sobre Detenções Arbitrárias, que em agosto de 2014 pediu a libertação do líder opositor.
    A Igreja Católica venezuelana pediu uma “sentença justa”, considerando que a decisão “foi incorreta e negativa para o país”. “Não é justo que, simplesmente por promover manifestações pacíficas contra o governo, lhe atribuam a culpa por toda uma série de delitos e instigação e crimes”, disse o arcebispo de Caracas, cardeal Jorge Urosa Savino. Com informações da Agência Brasil

  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.