4 de out de 2015

  • Permanência de Dilma e do PT no poder é provocação das instituições e pode causar revolta popular


    post-feature-image

    Pequeno trecho do "Discurso Sobre a Servidão Voluntária" Quero para já, se possív...
     A cada novo dia com Dilma e o PT no poder, aumenta a vergonha dos brasileiros
     Lula fatura milhões vendendo palestras sobre o combate à fome
     Lula e irmãos Castro aplicam golpe nos brasileiros para fazer porto sob medida para os EUA

    Pequeno trecho do "Discurso Sobre a Servidão Voluntária"


    Quero para já, se possível, esclarecer tão-somente o fato de tantos homens, tantas vilas, cidades e nações suportarem às vezes um tirano que não tem outro poder de prejudicá-los enquanto eles quiserem suportá-lo; que só lhes pode fazer mal enquanto eles preferem agüentá-lo a contrariá-lo. 

    Digno de espanto, se bem que vulgaríssimo, e tão doloroso quanto impressionante, é ver milhões de homens a servir, miseravelmente curvados ao peso do jugo, esmagados não por uma força muito grande, mas aparentemente dominados e encantados apenas pelo nome de um só homem cujo poder não deveria assustá- los, visto que é um só, e cujas qualidades não deveriam prezar porque os trata desumana e cruelmente. 

    Tal é a fraqueza humana: temos frequentemente de nos curvar perante a força, somos obrigados a contemporizar, não podemos ser sempre os mais fortes. 

    Se, portanto, uma nação é pela força da guerra obrigada a servir a um só, como a cidade de Atenas aos trinta tiranos, não nos espanta que ela se submeta; devemos antes lamentá-la; ou então, não nos espantarmos nem lamentarmos mas sofrermos com paciência e esperarmos que o futuro traga dias mais felizes. 

    Está na nossa natureza o deixarmos que os deveres da amizade ocupem boa parte da nossa vida. É justo amarmos a virtude, estimarmos as boas ações, ficarmos gratos aos que fazem o bem, renunciarmos a certas comodidades para melhor honrarmos e favorecermos aqueles a quem amamos e que o merecem. Assim também, quando os habitantes de um país encontram uma personagem notável que dê provas de ter sido previdente a governá- los, arrojado a defendê-los e cuidadoso a guiá-los, passam a obedecer-lhe em tudo e a conceder-lhe certas prerrogativas; é uma prática reprovável, porque vão acabar por afastá-lo da prática do bem e empurrá-lo para o mal. Mas em tais casos julga-se que poderá vir sempre bem e nunca mal de quem um dia nos fez bem. 

    Mas o que vem a ser isto, afinal? 

    Que nome se deve dar a esta desgraça? Que vício, que triste vício é este: um número infinito de pessoas não a obedecer, mas a servir, não governadas mas tiranizadas, sem bens, sem pais, sem vida a que possam chamar sua? Suportar a pilhagem, as luxúrias, as crueldades, não de um exército, não de uma horda de bárbaros, contra os quais dariam o sangue e a vida, mas de um só? Não de um Hércules ou de um Sansão, mas de um só indivíduo, que muitas vezes é o mais covarde e mulherengo de toda a nação, acostumado não tanto à poeira das batalhas como à areia dos torneios, menos dotado para comandar homens do que para ser escravo de mulheres? 

    Chamaremos a isto covardia? Temos o direito de afirmar que todos os que assim servem são uns míseros covardes? 

    É estranho que dois, três ou quatro se deixem esmagar por um só, mas é possível; poderão dar a desculpa de lhes ter faltado o ânimo. Mas quando vemos cem ou mil submissos a um só, não podemos dizer que não querem ou que não se atrevem a desafiá-lo.

    Como não é covardia, poderá ser desprezo, poderá ser desdém?

    Quando vemos não já cem, não já mil homens, mas cem países, mil
    cidades e um milhão de homens submeterem-se a um só, todos eles
    servos e escravos, mesmo os mais favorecidos, que nome é que isto
    merece? Covardia?

     Ora todos os vícios têm naturalmente um limite além do qual não
    podem passar. Dois podem ter medo de um, ou até mesmo dez; mas
    se mil homens, se um milhão deles, se mil cidades não se defendem
    de um só, não pode ser por covardia.

     A covardia não vai tão longe, da mesma forma que a valentia
    também tem os seus limites: um só não escala uma fortaleza, não
    defronta um exército, não conquista um reino.

    Este texto foi escrito há mais de 450 anos.

    Autor: Etienne de La Boétie morreu aos 33 anos de idade no ano de 1563.




  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.