1 de out de 2015

  • Mais um filho de Lula recebeu propina por medida provisória assinada pelo Papai


    post-feature-image
    O Estado de S. Paulo  acaba de divulgar informações devastadoras obtidas a partir de  docum...
     Manobra para salvar senadora Gleisi Hoffmann do PT ameaça toda a Lava Jato, diz procurador
     Lula aplicou R$ 18 milhões do dinheiro que recebeu por palestras para empreiteiras da Lava-Jato
     Sérgio Moro confirma que o PT usou dinheiro roubado da Petrobras em campanhas

    O Estado de S. Paulo acaba de divulgar informações devastadoras obtidas a partir de documentos obtidos pelo jornal. O conteúdo destes documentos  revela que uma medida provisória editada em 2009 pelo então presidente Lula teria sido "comprada" por meio de corrupção para favorecer montadoras de veículos. O filho de Lula, Luís Cláudio Lula da Silva, foi beneficiado em R$ 2,4 milhões assim que a MP assinada pelo pai entrou em vigor.

    De acordo com os documentos, as montadoras negociaram pagamentos de até R$ 36 milhões a lobistas para conseguir de Lula um "ato normativo" que prorrogasse incentivos fiscais de R$ 1,3 bilhão por ano. Mensagens trocadas entre os envolvidos mencionam a oferta de propina a agentes públicos para viabilizar o texto, em vigor até o fim deste ano.

    Os contratos com as montadoras estabelecem o pagamento de "honorários de êxito" em caso de "edição de ato normativo" prorrogando benefícios para as montadoras


    Dilma também sabia - Para ser publicada, a MP passou pelo crivo da presidente Dilma Rousseff, então ministra da Casa Civil. Anotações de um dos envolvidos no esquema descrevem também uma reunião com o então ministro Gilberto Carvalho para tratar da norma, quatro dias antes de o texto ser editado. 

    Um dos escritórios que atuaram para viabilizar a medida fez repasses de R$ 2,4 milhões a um filho do ex-presidente Lula, o empresário Luís Cláudio Lula da Silva, em 2011, ano em que a MP entrou em vigor.

    IPI

    Os contratos obtidos pela reportagem do jornal datam de 11 e 19 de novembro de 2009. No dia 20 daquele mês, o ex-presidente Lula assinou a MP 471, esticando de 2011 até 2015 a política de descontos no IPI de carros. Suspeitas de corrupção para viabilizar a medida provisória surgiram em e-mails trocados por envolvidos no caso.

    Uma das mensagens, de 15 de outubro de 2010, diz que houve "acordo para aprovação da MP 471" e que Mauro Marcondes pactuou a entrega de R$ 4 milhões a "pessoas do governo, PT", mas faltou com o compromisso. Além disso, o texto sugere a participação de "deputados e senadores" nas negociações. 

    Os dois escritórios de consultoria confirmam ter atuado para emplacar a MP 471, mas negam que o trabalho envolvesse lobby ou pagamento de propina.

    Ambos são investigados por atuar para as montadoras no esquema de corrupção no Carf. A MMC e a CAOA informam ter contratado a Marcondes & Mautoni, mas negam que o objetivo fosse a "compra" da Medida Provisória. Dono da SGR, José Ricardo era parceiro de negócios do lobista Alexandre Paes dos Santos, ligado à advogada Erenice Guerra, secretária executiva de Dilma na Casa Civil quando a MP foi discutida. Marcondes é vice-presidente da Anfavea, na qual representa a MMC e a CAOA.


  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.