28 de out de 2015

  • Juiz Sérgio Moro em conferência de empresários: “Não paguem propina”




    O juiz federal Sérgio Moro, responsável pela operação Lava Jato, tem se acostumado a reações públicas efusivas de apoio nos eventos aos que comparece. Não foi diferente durante um debate promovido pela revista britânica The Economist, realizado nesta terça-feira em São Paulo. Aplaudido de pé por uma plateia de empresários, o magistrado frisou que o combate à corrupção é uma responsabilidade de todos e brincou ao contar que aceita convites a eventos do gênero para passar um recado: "não paguem propina".
    Moro destacou que a opinião pública tem desempenhado um papel importante em todo o processo ao se posicionar a favor dos trabalhos que têm sido feitos. "Em processos envolvendo poderosos, a opinião pública é fundamental." O juiz defendeu, no entanto, que a sociedade cobre atitudes da classe política e disse esperar que o caso ajude a fortalecer as instituições. "Temos que fortalecer as instituições, fazer com que esses casos tenham tratamento mais ordinário. Assim o risco Berlusconi será reduzido", afirmou, em referência ao ex-premiê italiano que, embora condenado, continua livre.
    Segundo ele, a decisão do Supremo Tribunal Federal de fatiar o processo da operação, descentralizando o processo que hoje é conduzido por ele a partir de Curitiba, "não afeta o desenvolvimento" da parte do caso que continua sob sua jurisdição. O magistrado disse, ainda, que é difícil prever o que vai acontecer no futuro e que a investigação se tornou muito maior do que ele esperava. Contudo, lembrou que as instituições estão funcionando. "Não se varreu nenhum desses casos criminais para debaixo do tapete", disse.
    Questionado sobre um possível abuso no uso do método de delação premiada com a finalidade de "pescar" acusados, Moro ironizou: "Olha, tem vindo bastante peixe", arrancando aplausos e risos da plateia. O juiz rebateu também à critica recorrente de criminalistas que o acusam de exagerar nos pedidos de prisão preventiva na Lava Jato, como por exemplo, no caso do presidente da maior empreiteira do país, Marcelo Bahia Odebrecht. "Acho que existe exagero na crítica. Dez pessoas sem julgamento seria um atentado contra o Direito?"
    Durante o debate, ele afirmou ainda que  investigações como a da Operação Lava Jato já não são exceções e elogiou a atuação de uma juíza federal, sem dar nomes. Ao final do evento, questionado por jornalistas se a menção era dirigida à promotora Célia Regina Ody Bernardes, que decretou buscas nas empresas do filho de Lula, ele disse que sim.
    Muito elogiado pelos empresários no evento, Moro afirmou não ter nenhuma pretensão política.  "Não está no meu horizonte. Seria problemático, porque meu trabalho seria questionado ao ingressar na vida partidária. Falo muito francamente", afirmou. Novamente questionado por jornalistas sobre a possibilidade, ele foi direto: "Sem chance".
    Via EL PAÍS 
  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.