19 de out de 2015

  • É humanamente impossível estancar a corrupção do PT no país, diz delegado da Lava Jato


    post-feature-image
    O superintendente da PF do PR, Rosalvo Ferreira, o delegado da PF Igor Romário de Paula e procur...
     Pesquisa aponta: Lula convence apenas quem estudou até 4 anos na vida. Média caindo
     Lula e Eduardo Paes criam estratégia para atacar o Juiz Sergio Moro
     Marcelo Odebrecht pode ser um dos cinco novos delatores da Lava Jato que a PF mantém em sigilo

    O superintendente da PF do PR, Rosalvo Ferreira, o delegado da PF Igor Romário de Paula e procurador de Justiça Carlos Fernandes Santos Lima

    Esta foi a conclusão a que chegou o Igor Romário De Paula, um dos delegados que integram o grupo de elite da Operação Lava Jato. O delegado participou da entrevista coletiva da 18ª fase das investigações, deflagrada nesta quinta-feira, 13, e batizada de Pixuleco 2. As investigações chegaram a um ex-secretário de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, mostrando que houve corrupção na pasta em contratos de crédito consignado.

    Diante da continuidade sistêmica da corrupção no governo do PT, o delegado afirmou que é impossível a Operação Lava-Jato conter a corrupção no país. "É humanamente impossível a operação estancar a corrupção. Estamos falando de um esquema que pagou até o mês passado. Isso é quase um desafio às instituições do país", disse o integrante da força-tarefa da operação.

    De um total de R$ 52 milhões desviados do Ministério do Planejamento, R$ 37 milhões foram arrecadados pelo operador do PT, Alexandre Oliveira Correa Romano e outros R$ 15 milhões, que para Milton Pascowitch, que assinou acordo de delação premiada e está em prisão domiciliar. Milton Pascowitch recebia o dinheiro por meio da sua empresa, e posteriormente destinava os valores a João Vaccari Neto, tesoureiro do PT.

    A 18ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta quinta-feira (13), investiga o desvio de até R$ 52 milhões em contratos do Ministério do Planejamento, conforme asseguram o Ministério Público Federal e a Polícia Federal.

    De acordo com o juiz Sérgio Moro, "É possível que os pagamentos sem causa da Consist a Milton Pascowitch e a Alexandre Romano estejam relacionados ao benefício por ela obtido junto ao Ministério do Planejamento", assegura o magistrado.

    Visivelmente chocado com a audácia dos envolvidos, o procurador Roberson Pozzobon confirmou que "O esquema de corrupção é grande, sistemático e deve ser combatido de forma veemente".


  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.