10 de out de 2015

  • Coreia do Norte diz estar pronta para guerra com os EUA


    Coreia do Norte faz festa para os 70 anos do partido governista12 fotos

    6 / 12
    10.out.2015 - Líder norte-coreano Kim Jong-Un acena enquanto assiste ao desfile militar que marca os 70 anos do partido governista do país, em Pyongyang. Em seu discurso, ditador afirmou que país está preparado para uma guerra contra os EUA, se necessárioMaye-E Wong/AP
    A Coreia do Norte está preparada para enfrentar uma eventual ameaça dos Estados Unidos, afirmou neste sábado (10) o líder Kim Jong-un, durante um espetacular desfile militar por ocasião do 70º aniversário do partido único.

    Milhares de soldados marcharam em passo de ganso pela praça Kim Il-sung de Pyongyang.

    Com terno escuro, o líder norte-coreano recebeu a saudação do comandante da guarda de honra e passou em revista os milhares de soldados.

    "Hoje, nosso partido proclama com determinação que nossas forças armadas revolucionárias são capazes de enfrentar qualquer guerra provocada pelos Estados Unidos, e que estamos preparados para proteger nosso povo e o céu azul de nossa pátria", afirmou o líder norte-coreano.

    O desfile era uma homenagem ao partido único de inspiração marxista-leninista que reina com três gerações de uma mesma família, considerada a única dinastia comunista da História deste país, um dos mais fechados do mundo.

    "O Partido dos Trabalhadores da Coreia é um partido invencível que forma um todo com o povo", acrescentou o líder norte-coreano em um discurso de 30 minutos, interrompido por salvas de palmas de dezenas de milhares de pessoas.

    Não poupou elogios aos norte-coreanos, classificando-os de fonte do milagre que permitiu que o país se transformasse em um "poderoso Estado socialista, independente e autônomo em matéria de defesa".

    Tanques, outros veículos blindados e mísseis de longo alcance participaram do desfile. Os observadores estavam à procura de qualquer novo equipamento que constitua um sinal de avanço no programa militar norte-coreano.

    "Viva o partido invencível dos trabalhadores da Coreia!", era a frase de uma bandeira presa na praça, que leva o nome do avô do líder norte-coreano.

    Os edifícios das imediações estavam adornados com bandeiras do partido comunista (uma foice e um martelo sobre um fundo vermelho) e com a norte-coreana (azul, branca e vermelha).

    Um mar de cores lotava a praça, com homens e mulheres agitando bandeiras e flores, apesar do dia chuvoso.

    Armas nucleares

    O número um norte-coreano havia prestado homenagem a sua linhagem ao se dirigir na sexta-feira à meia-noite ao palácio do Sol Kumsusan, transformado em mausoléu para seu pai e seu avô Kim Il-sung, fundador da Coreia do Norte.

    São provavelmente os festejos mais caras desde que Kim Jong-un tomou as rédeas do poder após o falecimento de seu pai Kim Jong-il, em 2011.

    Segundo os pesquisadores do Instituto americano-coreano da universidade John Hopkins, as imagens de satélite mostrando os preparativos do desfile, feitas quatro dias antes, já apontavam que seria um dos mais espetaculares da história norte-coreana.

    Estes desfiles, ocasião na qual a Coreia do Norte abre as portas à imprensa estrangeira, cujos movimentos estão restritos, têm diversos objetivos.

    Para o interior do país é uma demonstração de orgulho nacional e de fervor patriótico destinado a apoiar o líder supremo.

    Para o exterior trata-se de demonstrar sua força e o pouco caso que faz do que o mundo pensa sobre seus programas nucleares e seus mísseis.

    Pyongyang realizou três testes nucleares, em outubro de 2006, em maio de 2009 e em fevereiro de 2013, e ameaçou realizar outro no âmbito de um programa de armas nucleares e mísseis que o país prosseguiu, apesar das sanções internacionais.

    Um estudo publicado nesta semana pelo Instituto para a ciência e a Segurança Internacional, com sede nos Estados Unidos, estima que a Coreia do Norte possuía entre 10 e 16 armas nucleares no fim de 2014.

    Sinal do isolamento do país, o único líder estrangeiro presente nas festividades era Liu Yunshan, membro do governo da China, aliado de Pyongyang.
    Ampliar

    Fotógrafo registra cenas do cotidiano na Coreia do Norte15 fotos

    1 / 15
    27.jun.2014 - Costureiras norte-coreanas trabalham na fábrica Sonbong, localizada dentro da zona econômica especial de Rason, no extremo noroeste da Coreia do Norte. Fotos publicadas no Instagram pessoal do chefe da agência Associated Press na Ásia, David Guttenfelder, revelam cenas do dia a dia dos norte-coreanos. Usando uma câmera de telefone, o premiado fotógrafo fez uma série de imagens que mostram além do que é divulgado sobre a Coreia do Norte do ditador Kim Jong-un Reprodução/ Instagram David Guttenfelde




  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.