9 de out de 2015

  • Brasil se isola enquanto o mundo negocia acordos de comércio




    O Acordo de Parceria Transpacífica (TPP, na sigla em inglês) coloca pressão sobre o Brasil. Mais uma vez fica claro como o país tem errado no comércio internacional. Amarrado ao Mercosul, o Brasil está perdendo a oportunidade de se aproximar de outros países, de se inserir nas cadeias globais.
    O TPP reúne EUA, Japão e mais 10 países, responsáveis por cerca de 40% do PIB mundial. Os especialistas alertam que, no comércio internacional, estão todos se casando enquanto o Brasil fica para trás, junto ao Mercosul. O bloco econômico foi importante no início, mas passou a ser conduzido de forma ideológica. A Argentina entrou em crise, a Venezuela também. Hoje, o mercado comum é um limitador. Ele impede o país de fazer seus próprios acordos comerciais.
    O Mercosul está em negociações com a União Europeia há muito tempo, mas não consegue fechar o acordo. Autoridades de lá se dizem interessadas em negociar somente com o Brasil, porque a Argentina tem colocado muitos empecilhos. Mas, pelas regras do mercado comum, não é possível fazer um acordo separadamente.
    Sobre o comércio internacional, o Brasil tem duas posições erradas. O comportamento defensivo é uma delas. As autoridades acham que a economia tem que ser defendida das importações.
    O outro equívoco é nos enxergar como maravilhosamente atraentes, provocando no mundo a cobiça, da qual devemos nos proteger. Esse raciocínio está, por exemplo, na declaração do ministro Armando Monteiro. Ele acha que o TPP pode ajudar no avanço do acordo Mercosul-União Europeia porque coloca pressão sobre a Europa. Na realidade, a pressão é sobre o Brasil, que está ficando sozinho no comércio global.
    O TPP atinge o Brasil diretamente. Alguns concorrentes nossos, que também exportam produtos do agribussines — como EUA, Canadá e Austrália — vão se aproveitar do maior acordo comercial já feito no mundo.
    A inércia do país é irritante. O nome do jogo hoje é integração nas cadeias produtivas globais. Quem não se casar, está perdido. A cada vez que um acordo dessa magnitude é fechado, o Brasil fica mais isolado. E as autoridades, como o ministro Monteiro, continuam equivocadas, achando que pressionados estão os outros países para fechar acordo com o Brasil.

  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.