30 de set de 2015

  • PF apura suspeita de fraude em leilão do terreno do Cais José Estelita


    Foto: Hélder Tavares/DP/D.A Press


    A Polícia Federal (PF) deflagrou, na manhã desta quinta-feira, uma operação que apura suspeita de fraude em um leilão que resultou na arrematação do terreno da antiga RFFSA, localizado na Avenida Engenheiro José Estelita, no Recife. Realizado em 2008, o processo teve como ganhador a empresa Novo Recife Empreendimentos Ltda. A área é palco de uma acirrada disputa envolvendo entidades que discordam da utilização da área para a construção de torres residenciais e empresariais, além de um parque linear. O movimento ficou conhecido como Ocupe Estelita.
    Esta manhã estão sendo cumpridos dois mandados de busca e apreensão na sede da empresa, na Avenida Domingos Ferreira, bairro do Pina, no Recife, e também na Milan Leilões, localizada em São Paulo e que seria responsável pela realização do leilão. Segundo a PF, as diligências que estão sendo realizadas hoje têm como objetivo apurar se há outros crimes associados, tais como tráfico de influência e corrupção ativa e passiva. Foi requerido também pela Polícia Federal à Justiça Federal o sequestro do imóvel arrematado, para garantir o ressarcimento do referido prejuízo.

    Durante as investigações, iniciadas em março de 2015, a PF chegou a evidências de fraude ao caráter competitivo no leilão, que podem configurar crime previsto na lei de licitações (Artigo 90 da lei 8.666/93). A polícia apura se, em função do direcionamento do leilão, a empresa Novo Recife teria conseguido arrematar o terreno por um preço inferior ao de mercado, à época, em quase R$ 10.000.000,00 (dez milhões de reais).

    Novo Recife - O projeto prevê, entre outros pontos, a construção de 12 prédios, área comercial, hotéis, restaurantes, bares e estacionamentos na área do Cais José Estelita. O local ainda preserva vestígios de edificações históricas abandonadas, como antigos armazéns de açúcar e galpões. 

    O prefeito Geraldo Júlio sancionou a lei aprovada pela Câmara Municipal, em maio passado, definindo as novas normas de ocupação dos cais José Estelita e Santa Rita e área do Cabanga.

    Os críticos da iniciativa apontam prejuízo à memória nacional e o aspecto segregador do projeto, uma vez que o terreno de 105 mil metros quadrados, localizado em área histórica e considerado importante cartão-postal da capital pernambucana, passará a ser propriedade da iniciativa privada.

    PF/Divulgação
    PF/Divulgação
    Parte dos moradores da cidade, no entanto, é favorável a que o Poder Público dê nova destinação ao local, que, segundo eles, está abandonado e é frequentado por criminosos e usuários de drogas.

    O Consórcio Novo Recife, responsável pelas obras no local, rebate as críticas, alegando que cerca de 90 mil m² da área serão destinados à construção de um parque público. O consórcio também informa que as futuras atividades comerciais vão gerar 2,5 mil empregos na área que hoje “encontra-se bastante degradada e subutilizada”. Na época, em nota, a prefeitura sustentou que a aprovação da matéria “encerrou um processo de amplo debate com os diferentes segmentos da sociedade”.

    Via DIÁRIO de PERNAMBUCO 
  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.