23 de set de 2015

  • Henrique Pizzolato - o Mensaleiro finalmente foi extraditado da Itália para cumprir pena no Brasil.


    O BRASIL ESTÁ DE ORTAS ABERTAS ARA RECEBÊ-LO
     
    Antes tarde do que nunca, terminou a novela Henrique Pizzolato. O Conselho de Estado da Itália rejeitou o último recurso do ex-diretor do Bando do Brasil, condenado a quase 13 anos de prisão no processo do Mensalão. O mensaleiro que fugiu com passaporte falso para não ser preso no Brasil finalmente teve a extradição autorizada.
    Felizmente, a Justiça italiana não pagou o governo brasileiro na mesma moeda da indignidade. Enquanto nós acoitamos o terrorista Ceasari Batisti, eles nos devolvem o corrupto Pizzolato. Uma verdadeira tapa com luva de pelica.

    A defesa de Pizzolato, que também tem cidadania italiana, tentava a todo custo impedir a extradição do cliente VIP. Alegava que as prisões do Brasil não tinham condições de receber e acomodar o célebre condenado, como se ele fosse melhor que as centenas de milhares de outros presos.

    Apesar da pinta de bacana e da dupla nacionalidade, Henrique Pizzolato não é nem melhor nem pior que nenhum outro presidiário brasileiro. Como qualquer um, merece, sim, ser preso em condições dignas, ter seus direitos respeitados. Mas também precisa cumprir sua pena como qualquer condenado, sem privilégios, sem “mi-mi-mi”.

    Nesse sentido, a Constituição é clara: todos são iguais perante a lei. Então por que uns pretendem ser mais iguais que outros? Porque os bem nascidos e bem criados insistem em não se submeter às mesmas condições dos brasileiros comuns? As castas que dividem os criminosos brasileiros em bandidos abastados e bandidos desvalidos já não podem mais existir.


    Pizzolato está foragido desde 2013. Depois de dois anos, finalmente deverá voltar para o lugar de onde nunca deveria ter fugido. Foi uma espera demorada. Pois bem, Pizzolato está a caminho. A Papuda o aguarda de portas abertas.

  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.