23 de set de 2015

  • Deputados pró-impeachment desconfiam que Eduardo Cunha os traiu


    O presidente da Câmara ensaiou desculpas de que nada tinha a ver com a decisão do PMDB, mas não soou convincente.


    Menos de 24 horas após dizer que não indicaria nomes para a reforma ministerial de Dilma, dois aliados de Cunha surgiram na lista de 7 nomes entregues pelo PMDB ao Planalto. Entre eles, o que ficará para a história como o “pau mandado” do presidente da Câmara, o deputado fluminense Celso Pansera. Ao perceber os nomes ligados a Cunha na lista apresentada, a bancada pró-impeachment se revoltou e entendeu o ato como traição. Josias de Souza conta que não tardou para cobrarem satisfações do deputado, que tentou passar a ideia de que nada tinha a ver com a decisão. Mas não se sentiram convencidos.
    PMDB entrega para Dilma relação de ‘ministeriáveis’ com aliados de Cunha
    Leia também | Ignorando mar de críticas, Dilma enviou ao Congresso PEC para “nova CPMF”
  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.